Poemas, fotografias e uma prestigiada sessão de autógrafos com Geneceuda Monteiro e Imara Queiroz

Publicado em Categorias Últimas

1 1A 2 2A 2B 2C 2D 2E 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 DSC_0292 DSC_0300 DSC_0317 DSC_0324 DSC_0328 DSC_0334 DSC_0338 DSC_0340 DSC_0342 DSC_0347 DSC_0360 DSC_0364 DSC_0368 DSC_0370 DSC_0376 DSC_0382 DSC_0385 DSC_0389 DSC_0391 DSC_0395 DSC_0399 DSC_0400 DSC_0402 DSC_0412 DSC_0418 DSC_0420 DSC_0428 DSC_0435 DSC_0439 DSC_0441 DSC_0443 DSC_0446 DSC_0448 DSC_0450 DSC_0456 DSC_0461 DSC_0467 DSC_0472

Tudo começou quando Geneceuda viu uma fotografia de Imara Queiroz. “Esta fotografia descreve um poema meu”. Ao saber que a amiga escrevia poemas, surgiu, de modo despretensioso, a proposta. “Vamos fazer um livro?”. Foi assim que teve início o processo que redundou na composição do livro “É tudo. Muito. Di-verso”, obra que sai publicada pela editora Chiado, de Portugal.

O lançamento oficial aconteceu na última quarta-feira, às 20 horas, no Museu de Arte Popular da Paraíba, em Campina Grande. O evento foi muito prestigiado e reuniu familiares, amigos e convidados especiais dessas duas mulheres maravilhosas que engrandecem Campina Grande com arte, talento e beleza. A noite foi selada com uma sessão de autógrafos, comes e bebes e música da melhor qualidade.

“Imagem e ideia se fundem. Conversam entre si. É como um flash de lembrança. Um splash de pedra atirada na água. Ser flash, ser flecha. Fração de segundos. Sílaba e luz reveladas. Essa é a proposta de …É tudo. Muito. Di-verso… Ser uma imagem que cabe num poema e ser um poema que cabe num olhar”, comentou, em texto de apresentação, o escritor Edmundo Gaudêncio, que foi quem sugeriu o título da obra às autoras.

Ao todo são 30 poemas, em todos eles há um diálogo com uma imagem. Houve imagens que se casaram perfeitamente com poemas já escritos, mas Geneceuda, acompanhando a produção de Imara por meio da rede social Instagram, inspirou-se e compôs novos textos estimulada pelas novas fotografias.

0Shares